Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
5
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

João Pereira Coutinho

Massacres

É o nosso medo que os fanáticos farejam antes de atacar.

João Pereira Coutinho 9 de Janeiro de 2015 às 00:30

Vejo as imagens do massacre em Paris. Só uma palavra me ocorre: habituem-se. Havia sinais: o homicídio de Theo Van Gogh em Amesterdão; as explosões na maratona de Boston; agora, a chacina no ‘Charlie Hebdo’. Onde será a próxima? Em Madrid (outra vez)? Em Londres (idem)? Ou será em Lisboa?

O jihadismo deixou de ser coutada exclusiva de ‘grupos’ ou ‘células’. Hoje, basta uma cabeça fanatizada e uma arma na mão.
E com um bónus: quem mata, sabe que terá uma consagração mediática que faria a inveja dos antigos anarquistas.

Perante isto, exige-se vigilância policial, punições exemplares e, claro, ‘não ceder ao medo’. Fico-me pelo medo: nas mil homenagens que o mundo prestou ao jornal, contam-se pelos dedos de uma mão as publicações que tiveram a coragem de publicar os ‘cartoons’ do Profeta que tanto ofendem os assassinos.

O medo, apesar de tudo, continua. É esse medo que os fanáticos farejam antes de atacar. 

Theo Van Gogh Amesterdão Boston Charlie Hebdo Madrid Londres política artes cultura e entretenimento
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)