Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
5
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

João Pereira Coutinho

Ninguém escapa

Terrorismo islamita é uma nuvem negra que paira sobre todos.

João Pereira Coutinho 28 de Junho de 2015 às 00:30
Quando as pessoas pensam nos ataques terroristas do 11 de Setembro, imaginam que aquela manhã de Nova Iorque significa o início de algo de novo: o terrorismo islamita em acção. Um erro.

O 11 de Setembro é antes a conclusão da primeira fase do jihadismo ‘organizado’. Será preciso lembrar que o World Trade Center já tinha sido atacado em 1993?

O mesmo acontece com os atentados ‘desorganizados’ que matam ocidentais por aí. Uma novidade? Longe disso. Em 2004, o cineasta Theo Van Gogh já tinha sido brutalmente chacinado nas ruas de Amesterdão pela sua ‘islamofobia’.

O mundo, depois da comoção circunstancial, assobiou para o lado e seguiu em frente. Convém não assobiar mais: a ‘fatwa’ que Khomeini lançou sobre Salman Rushdie em 1989 alargou-se como uma nuvem negra e paira hoje sobre qualquer ocidental, esteja ele em França ou na Tunísia. Com um pormenor trágico: desta vez, nem os portugueses escapam.
terrorismo 11 de Setembro Nova Iorque World Trade Center Theo Van Gogh Salman Rushdie França Tunísia
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)