Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
2
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

João Pereira Coutinho

Ódio

Cartas prisionaisde Sócrates sãodocumentoshistóricos de ódio.

João Pereira Coutinho 5 de Dezembro de 2014 às 00:30

Gosto de ler a prosa revolucionária (e, em muitos casos, prisional) de alguns beneméritos que fizeram e desfizeram o século XX. Ali, em tom vermelho (de sangue), é vê-los a disparar contra o mundo, ao mesmo tempo que se consideram vítimas dele.

Esta tradição continua viva com José Sócrates. Sim, o homem já tinha ficado na história como o primeiro-ministro que levou o país à bancarrota. Mas agora, em prisão preventiva, abre-se um novo capítulo: o de um ex-primeiro-ministro que, em cartas para jornais (escritas a vermelho), não se limita a proclamar a sua inocência (o que seria legítimo). Sócrates vai mais longe: ele arrasta pela lama juízes, professores, jornalistas, políticos – no fundo, o regime democrático inteiro.

Não sei se o autor tenciona reunir estes textos em obra autónoma. Espero que sim. Na literatura doméstica, fazem falta estes documentos de ódio.

José Sócrates Sócrates questões sociais artes cultura e entretenimento política
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)