Por João Pereira Coutinho|06.10.17
Passos Coelho venceu as legislativas e perdeu o poder. Acontece. Churchill, que era Churchill, venceu a guerra e perdeu as eleições de 1945. Todas as carreiras políticas terminam em fracasso? Talvez. Mas a história é outra história. Sobretudo quando somos nós a escrevê-la (como dizia o velho Winston).

Agora que Passos deixa a liderança do PSD (e bem), era bom ter um testemunho para memória futura. Não que isso seja determinante para reconhecer o óbvio: a obstinação do senhor à frente de um governo de emergência – ironicamente, a mesma obstinação que o cegou depois de 2015 – reserva-lhe um lugar distinto na nossa curta experiência democrática. E Churchill, convém lembrar, regressou, triunfal, em 1951. 

Critiquei Passos nos anos da ‘troika’. Sempre achei, contra a piolheira opinativa reinante, que o alvo do colunista devem ser os governos, não as oposições. Mas tiro o meu chapéu na hora do adeus.
Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!

Subscrever newsletter

newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)