Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
1
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

João Pereira Coutinho

Uma limpeza

Cameron ganhou porque prometeu não roubar o contribuinte.

João Pereira Coutinho 9 de Maio de 2015 às 00:30

Confesso espanto com a vitória dos Conservadores ingleses: na minha ingenuidade, eu ainda acredito em sondagens. E, além disso, a declaração de Cameron de que não tentaria um terceiro mandato foi má demais para ser verdade. Devia ter prestado mais atenção ao padeiro, ao cervejeiro e ao talhante (obrigado, Adam Smith) que falavam comigo todos os dias em Inglaterra e me diziam que os Trabalhistas não eram para levar a sério.

‘Não queremos uma guerra de classes’, dizia-me o referido cervejeiro. ‘Queremos que não nos roubem e nos deixem trabalhar’. Tradução: menos impostos e um Estado a fazer dieta.

Claro que, nestes gritos de alma, David Cameron não era herói para ninguém, nem sequer para os conservadores ‘históricos’ (a Europa, sempre a Europa). Mas Cameron, ao contrário do trabalhista Milliband, prometia ao inglês comum essas duas singelas coisas: não roubar e não engordar o Estado. Foi limpinho. 

Adam Smith Inglaterra David Cameron Europa economia negócios e finanças política
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)