Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
2
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

José Diogo Quintela

Chupez!

Jogo começou com o chuto do Payet no CR7 mas acabou com os Xutos.

José Diogo Quintela 11 de Julho de 2016 às 01:45
Quando se ouviu "A minha alegre casinha" no estádio, houve ironia da gira. O jogo começou com o chuto do Payet no Ronaldo, mas acabou com os Xutos nos altifalantes, para todos ouvirem.

Espero que Ronaldo perdoe o Payet. Espero, também, que, aproveitando o facto de ser o desportista mais bem pago do mundo, compre o passe do Payet e ponha a jogar no Desportivo da Camacha. Se esta era a estratégia da França, é a versão futebolística da Linha Maginot: funciona durante uma hora, mas depois vai-se abaixo.

O que se passou foi o seguinte: o leitor imagine um torneio de ténis em que um jogador faz as eliminatórias todas com a mão direita, mas na final revela que afinal era canhoto e, aí sim, começa a jogar bem. Foi o que fizemos. Convencemos toda a gente que éramos só Ronaldo, sem pontas-de-lança, sem ninguém que marcasse livres e, afinal, jogávamos com a esquerda. Tínhamos o Guerreiro para os livres, o Éder para ponta-de-lança, mas, para o que foi, bacalhau bastou.

O mundo não vai esquecer a cara de Ronaldo, sentado, com uma traça na cara. É sinal que os franceses não são bons com bolas de futebol, nem com bolas de naftalina.
Cristiano Ronaldo Xutos & Pontapés França Portugal Éder futebol Euro 2016
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)