Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
2
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

José Manuel Freitas

Um clássico fundamental para a Liga

Benfica teve um fim de semana de estrondo: ganhou em três campos.

José Manuel Freitas 1 de Novembro de 2016 às 00:30
Não se ganham campeonatos com quase dois terços por disputar, mas tendo em conta o que se tem passado até esta altura – é verdade que se tem havido verdade na Choupana e em Setúbal, desde que convertidos os penáltis não assinalados, o líder não teria tido um fim de semana de estrondo -, com o Benfica a dominar, porque tem jogado muito mais do que os seus diretos rivais, havendo lógica no jogo de domingo no Dragão, que é o tricampeão levar de vencida o seu antagonista portuense, a Liga, o seu interesse, competitividade e animação não deixarão de sofrer um rombo enorme.

Nessa medida, nunca um clássico, para que continue viva e a despertar interesse, foi tão importante como este e não há ponta de exagero ao afirmar-se que a principal responsabilidade pertence ao FC Porto, mesmo contando com o reforço suplementar de três milhões de leões a suspirar para que os encarnados não regressem a casa com mais três pontos – isto na presunção de que frente ao Arouca o grupo de JJ não se deixa surpreender como aconteceu nas últimas três rondas.

Com dois terços de Liga por jogar ninguém é campeão, mas como na época passada… vem aí mais um clássico capital. 
Setúbal Benfica Liga FC Porto Arouca desporto futebol
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)