Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
3
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Leonardo Ralha

Arreganhar 4,50 euros

Liberdade de escolha é o que leva 3,4 milhões de portugueses a pagarem dezenas de euros mensais a empresas por um certo número de canais disponíveis na televisão.

Leonardo Ralha 13 de Novembro de 2015 às 00:30
Liberdade de escolha é o que leva 3,4 milhões de portugueses a pagarem dezenas de euros mensais a empresas por um certo número de canais disponíveis na televisão. Podem querer notícias, filmes, séries, jogos de futebol, conteúdos para adultos, música ou até os canais que veriam se só tivessem a TDT.

Alguns canais oferecidos aos clientes dessas empresas são de serviço público. Até agora, quem já paga dezenas de euros por mês tinha o ingrato desprazer de ver cobrados mais 2,81 euros mensais de contribuição audiovisual, camuflada na conta de eletricidade, pagando duas vezes por esses canais, ainda que optasse por nunca os ver.

Sobre os 3,4 milhões de clientes destas empresas deve incidir uma das primeiras medidas do governo de António Costa, cobrando a contribuição audiovisual apenas aos que já pagam para estarem informados a qualquer hora, terem medo de zumbis ou festejarem golos do seu clube. No entanto, como o universo de pagantes é mais pequeno do que os clientes da EDP, a fatura mensal sobe para 4,50 euros.

Em tempos idos, a RTP teve o concurso ‘Arreganha a Taxa’, que oferecia televisões a cores. Agora só há sorrisos amarelos.
opinião Leonardo Ralha
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)