Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
4
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Leonardo Ralha

Banalidade do acaso

Se Hannah Arendt alertou para a banalidade do mal no nazi Eichmann, nunca poderemos antecipar a tremenda banalidade do acaso.

Leonardo Ralha 2 de Dezembro de 2016 às 00:32
O guarda-redes Danilo Padilha ainda foi encontrado com vida pelos socorristas. Morreu pouco depois, num hospital colombiano, reduzindo para seis o número de sobreviventes da queda do avião que transportava a equipa de futebol brasileira Chapecoense, ceifada quando ia jogar a primeira mão da final da Taça Sul-Americana Nunca saberemos se nos últimos instantes recordou o quinto minuto de tempo de compensação da meia-final em que o seu clube recebeu os argentinos do San Lorenzo, equipa favorita do Papa Francisco.

No último lance do jogo houve um livre a favor dos visitantes, a bola sobrou para um deles, mas Danilo defendeu com o pé direito, mantendo o resultado que deu acesso à final. Fez aquilo que se pede a um guarda-redes, permitindo uma explosão de alegria imediata ao mesmo tempo que dava sequência à sucessão de acontecimentos que conduziram à morte de 71 pessoas.

Cremos ser a mais perfeita e complexa criação de Deus ou de uma evolução das espécies, mas somos escravos de um destino que por vezes nos faz estar à hora errada no lugar errado. Se Hannah Arendt alertou para a banalidade do mal no nazi Eichmann, nunca poderemos antecipar a tremenda banalidade do acaso.

Danilo Padilha Chapecoense Taça Lorenzo Papa Hannah Arendt desporto futebol
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)