Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Leonardo Ralha

Falta de material

Os discos e livros podem ser máquinas do tempo feitas à nossa medida.

Leonardo Ralha 2 de Abril de 2017 às 00:32
Ainda não é claro se os androides sonham com ovelhas elétricas, como na história de Philip K. Dick que originou o filme ‘Blade Runner - Perigo Iminente’, mas todos sabemos o que pode acontecer quando reencontramos um disco ou um livro que não víamos ou tínhamos na mão há muito tempo.

Mais do que objetos com letras ou zeros e uns que se transformam em música, os livros e discos - tal como os DVD e outros suportes de som e de imagem - podem ser máquinas do tempo feitas à nossa medida. Vê-los e tocá-los faz reavivar memórias das circunstâncias irrepetíveis em que os descobrimos.

Claro que não acontece sempre, pois nem todos os livros, discos e filmes deixam a mesma marca, mas acontece por existir algo material, palpável e, por isso, mais real. Que dentro de décadas alguém reavive memórias graças àquilo que armazenou numa ‘cloud’ passageira, ou viu e ouviu em ‘stream’, é tão improvável quanto androides tosquiarem ovelhas elétricas.
Philip K. Dick DVD Blade Runner Iminente media
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)