Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
4
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Leonardo Ralha

O “eu” em “equipa”

Há uma década que o fulano se chama Cristiano.

Leonardo Ralha 21 de Junho de 2016 às 00:30
Os treinadores americanos gostam de repetir "there is no i in team", o que quer dizer "não há nenhum i [eu] em team [equipa]".

Dizem-no para afastar individualismos que ponham em risco o coletivo. E fazem-no com convicção, embora paguem às estrelas das equipas salários multimilionários. No futebol nacional, pelo contrário, a frase feita mais repetida é "comigo é o fulano e mais dez". E há uma década que o fulano se chama Cristiano Ronaldo. Graças ao seu valor, e à necessidade que sentimos de ter inquestionáveis.

Não é de espantar, pois em língua portuguesa até existe "eu" em "equipa". Retirando as duas letras sobra "qipa", o que em mandarim significa "flor rara", sendo também o que os chineses chamam a quem não faz sentido.
Ronaldo Euro2016
Ver comentários