Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
1
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Leonardo Ralha

O livro de verão

O livro de verão do ano passado foi o policial ‘A Rapariga do Comboio’.

Leonardo Ralha 17 de Julho de 2016 às 00:30
Quando se retira um volume da estante com uma mancha de chávena de café na contracapa e do seu interior saem grãos de areia existe a elevadíssima possibilidade de que esse tenha sido o livro de um verão passado.

Embora a Constituição não proíba levar Proust, Faulkner ou Dostoievsky na mochila, lado a lado com o creme protector e a garrafa de água, o livro de verão tende a ser uma leitura mais leve (mesmo que por vezes tenha um número de páginas suficiente para o transformar numa arma de defesa pessoal improvisada), a combinar com a estação em que, supostamente, a vida é mais fácil.

O livro de verão do ano passado foi o policial ‘A Rapariga do Comboio’, sucedendo a êxitos como ‘As 50 Sombras de Grey’. Agora pode ser a vez de ‘Prometo Perder’, de Pedro Chagas Freitas, ou ‘O Pavilhão Púrpura’, de José Rodrigues dos Santos.

Faça-se a contagem nas praias e esplanadas. E como não faz muito sentido falar em melhor, que ganhe o mais vendido.
Leonardo Ralha opinião
Ver comentários