Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
9
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Leonardo Ralha

SWAH-esh é grande

Mário Soares teve Portugal a seus pés, mas foi um cidadão do Mundo.

Leonardo Ralha 9 de Janeiro de 2017 às 01:45
Nem a ausência de um ‘r’ na pronúncia ‘SWAH-esh’, aconselhada por Elias A. Lopez aos leitores do ‘The New York Times’, faz esquecer que raros seriam os portugueses vítimas de incorreções num obituário na edição impressa do diário norte-americano.

A proximidade entre Soares e figuras há muito desaparecidas do socialismo, como Willy Brandt, François Mitterrand, Bettino Craxi e Andreas Papandreou, pode justificar alguma da atenção que a morte do estadista português mereceu na Europa.

Mas ainda mais relevante é o facto de o Mundo despedir-se de um protagonista do século XX, daqueles que a passagem do tempo vai tornando cada vez mais escassos.

Mário Soares teve Portugal a seus pés, mas foi um cidadão do Mundo. É improvável que nos anos mais próximos outro político nacional tenha um erro na pronúncia do seu nome no ‘The New York Times’.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)