Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
6
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Luís Campos Ferreira

Quem os viu...

O governo corta no investimento público e nem um ai se ouve dos seus ajudantes.

Luís Campos Ferreira 29 de Setembro de 2016 às 00:30
Quando ouço o PS, PCP e Bloco a falar de investimento, de crescimento e de défice, só me ocorre dizer: quem os viu e quem os vê. Até há um ano, diziam que o essencial era promover o crescimento económico, o défice era um garrote e tínhamos que apostar tudo no investimento público para pôr a economia a mexer.

Hoje eles são os mesmos, só mudaram o discurso e a prática política porque agora estão no poder. O investimento público era escasso até 2015? Era. Mas hoje é infinitamente mais escasso. Para compensar os seus desvarios, o governo corta no investimento público e nem um ai se ouve dos seus ajudantes do PCP e do BE.

O crescimento económico de 1,5% do PIB em 2015 era, para eles, curto e anémico. Hoje é de apenas 0,9% mas o governo finge que está tudo em linha e os seus ajudantes calam-se. No passado, o défice era um temível garrote e quem o tentava reduzir era um perigoso neoliberal, com vistas curtas e pensamento economicista. Agora, o PS e os seus ajudantes apontaram todas as suas prioridades para o défice, o défice e o défice. Antes tarde do que nunca para se converterem às virtualidades da redução do défice. Só não havia necessidade de o fazerem matando de vez o investimento público e privado, e liquidando a economia, à custa de mais impostos, de uma estratégia de reversões e recuos e sobretudo à custa de menos credibilidade e confiança em Portugal.

Menos investimento hoje é menos crescimento económico no futuro. E menos crescimento económico é menos emprego, menos poder de compra e menos justiça social. É assim que se geram ilusões e que as políticas deixam de ser sustentáveis, pois deixa de haver riqueza para distribuir.

O PS e os seus ajudantes estão a instalar a visão maniqueísta de que a criação de riqueza é inimiga da eliminação da pobreza. Empreender, poupar e ter património é um sacrilégio para quem defende um denominador comum menor. E esta visão é que destrói a economia e as sociedades.
PS PCP Bloco política
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)