Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
3
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Magalhães e Silva

Era o aconchego

Com aqueles meninos não se brinca, que dizem palavrões.

Magalhães e Silva 8 de Novembro de 2015 às 00:30
A prática do "arco da governação" deu aos partidos que o compõem 40 anos de garantia quanto à alternância no poder. E quando essa alternância esteve em perigo – no derrube do governo minoritário de Cavaco, em 1987 –, Soares encarregou-se de dissolver a AR e impedir que o aconchego cessasse.

A esta luz, percebe-se melhor o coro de protestos quanto à iniciativa do PS de formar governo apoiado no BE e no PCP.

É que se pega a prática de BE e PCP, ou só de um deles, apoiar governos do PS, isso significa que, em futuras eleições, ou a direita tem maioria absoluta, ou não é governo.

E para ter maioria absoluta, pode nem chegar o PS governar mal. Depende das razões por que foi assim e da capacidade de o País acreditar, apesar do desmentido 2011-2015, que, em vez de sangue, suor e lágrimas, a direita lhe dá leite e mel.

É que quando Santana foi para PM, os seus opositores no PSD e o PS entraram em pânico: o homem é demagogo e em dois anos vai à maioria absoluta. Foi o que se viu. Por isso, poucas apostas quanto ao futuro, governe o PS bem ou mal.
opinião Magalhães e Silva
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)