Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
4
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Magalhães e Silva

Palos e Sócrates

Quando se tem de montar o circo para administrar Justiça, teme-se logo que seja palhaçada

Magalhães e Silva 23 de Novembro de 2014 às 00:30

Só o MP/PJ poderiam ter dado a informação que permitiu o circo mediático à volta da Operação Labirinto. E assim se criou a encenação policial da detenção de altos funcionários. Depois, veio a informação, obviamente da defesa, de que indícios contra o Diretor do SEF eram 2 garrafas de vinho da quinta de um co-arguido e a referência, numa escuta, de que agilizaria processos.

Neste momento, em que já foram obrigatoriamente revelados a Palos os indícios que há contra ele, nada obstava a que a PGR os revelasse. Como assim não foi, fica-nos o terror, repito, o terror, de viver num País em que, sem desmentido, se prende por isto. Com Carlos Alexandre a caucionar.

Uma semana depois, o circo, a cargo das polícias, prossegue: a SIC e a CMTV são avisadas para filmar a detenção de Sócrates! Por mais culpas que tenha, e políticas tem n+1, nada justifica a detenção para interrogatório, como já acontecera a Salgado, de quem estava pronto a depor. É tempo de, em casos tão sérios, Rosário Teixeira, que é um grande magistrado, deixar de brincar aos cowboys. 

PJ Operação Labirinto Diretor do SEF Palos PGR País Carlos Alexandre SIC Salgado Rosário Teixeira
Ver comentários