Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
9
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Manuel Maria Rodrigues

"Mama Sume"

"Golpe de calor" justifica falência física de um militar. Mas não de onze.

Manuel Maria Rodrigues 20 de Setembro de 2016 às 01:45
"Mama Sume" (aqui estamos prontos para o sacrifício) é a expressão africana que se transformou no grito de guerra dos Comandos.

Compreende-se que a entrega voluntária signifique, in extremis, o sacrifício da própria vida, em cenário de combate, em defesa da pátria. Inaceitável é o sacrifício máximo em cenário de treino. É suposto que ninguém morra ao treinar para sobreviver.

Alvitram-se hipóteses para o sucedido: "Golpe de calor"; falta de assistência atempada e adequada em unidade hospitalar; Hospital Militar sem urgências; eventual erro de diagnóstico. Aspetos que o CEME terá de rever. Mas o fundamental é averiguar o que se passou a montante.

Um "golpe de calor" pode justificar a falência física de um instruendo portador de uma deficiência não detetada. Já não justificará a falência física de um segundo instruendo e muito menos de outros nove, todos no mesmo dia.

Passaram 2 semanas e o silêncio mantém-se. O mesmo que deixou sem resposta outras mortes no passado, em circunstâncias idênticas. A dignificação dos imprescindíveis Comandos impõe outra atitude. O não apuramento de responsabilidades concretas ainda poderá transformar um "golpe de calor" num potencial serial killer.
Mama Sume golpe de calor Comandos militares mortes Exército
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)