Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Manuel Maria Rodrigues

Imunidade moral

Que jovens estamos a criar que saltam sobre a cabeça de um semelhante?

Manuel Maria Rodrigues 23 de Agosto de 2016 às 01:45
Todos nos indignamos com a brutal agressão a um jovem de 15 anos, em Ponte de Sor, cuja autoria é atribuída a dois gémeos, de 17.
A indignação aumentou ao saber-se que os agressores são filhos de um embaixador estrangeiro credenciado em Portugal. Era presumível estarmos na presença de jovens bem formados.

A indignação extravasou quando constatámos que esses jovens possuem imunidade diplomática absoluta, não sendo possível exercer sobre eles a lei penal portuguesa, qualquer que seja o tipo de crime que pratiquem em solo português. A imunidade diplomática é uma prerrogativa universal que visa proteger o exercício da atividade diplomática e nunca uma possibilidade de praticar crimes impunemente.

Para o cidadão é inadmissível que um diplomata, um político ou outras elites, se escondam na imunidade para se furtar à Justiça por crimes não relacionados com a especificidade das suas funções. Partilho essas preocupações, mas entendo que outra se sobrepõe.

Que jovens estamos nós a criar, independentemente de serem iraquianos, portugueses ou outra nacionalidade, capazes de saltar a pés juntos sobre a cabeça de um semelhante prostrado no solo? Não existe imunidade moral mesmo para filhos de diplomatas.
Ponte de Sor diplomacia jovens agressões violência embaixador Iraque
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)