Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
7
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Manuel Maria Rodrigues

Proposta inédita

O condenado a pagar pelos atos corruptos é sempre o contribuinte.

Manuel Maria Rodrigues 12 de Dezembro de 2017 às 00:30
Assinalou-se o dia mundial de combate à corrupção, crime que corrói os alicerces da sociedade democrática. A PGR divulgou um relatório com dados referentes a 2014/2017, o qual convida à reflexão. 5564 Inquéritos abertos:  2014 por corrupção, 1286 por abuso de poder, 1260 por peculato, 534 de branqueamento e 251 por participação económica em negócio. Resultado: 5564 abertos, 3337 encerrados e 457 acusados.

Quantos resultaram em penas efetivas de prisão? Bom… Continuemos nos números. Análise do último ano: Abertos 2204 inquéritos, ou seja, mais 21% que no ano anterior, entre estes: 861 por corrupção – 40 acusações; 424 peculato – 87 acusações; 202 branqueamento – 15 acusações.

O resultado simplificado traduziu-se em 160 acusações. Quantos cumprem penas efetivas de prisão? Adiante! 86% dos crimes de colarinho branco acabam arquivados.

Para que alguma pedagogia resulte relativa a esta praga social, proponho que se passe a assinalar o Dia Mundial da Arrecadação, aquele em é feito o balanço de quantos foram efetivamente arrecadados pelo crime de corrupção e conexos.

Os milhões vão e não voltam e o condenado a pagar pelos atos dos corruptos continua a ser o contribuinte.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)