Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
7
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Mário Pereira

Presentes e postais de Natal

Já se sabia, desde a jornada 13 (anterior à do último fim de semana), que o título oficioso de campeão de inverno iria para o Benfica.

Mário Pereira 23 de Dezembro de 2014 às 00:32

Obra e graça da vitória sobre o FC Porto e da vantagem de seis pontos cavada na classificação. Ser campeão de inverno vale o que vale. Para muitos nem sequer vale nada. É apenas um registo, uma curiosidade, uma circunstância. Mas já que se fala do assunto, valha a verdade que, para campeão de inverno, o Benfica desta jornada, a 14ª, esteve muito… encolhido. O treinador Jorge Jesus justificou a míngua exibicional na vitória frente ao Gil Vicente (1-0) com as ausências de vários jogadores lesionados e com a falta de apoio dos adeptos. Outras desculpas poderiam ter surgido se o golo que validou o triunfo dos encarnados não tivesse nascido de um lance irregular, transformado em presente próprio da quadra pelo árbitro auxiliar de João Capela.

Noutra latitude, o Sporting ganhou na Madeira, igualmente por 1-0, mas o que ressalta deste jogo aconteceu no fim de o mesmo terminar. Marco Silva, treinador tão sóbrio e contido nas declarações que chega a ser aborrecido ouvi-lo, mandou desta vez postais, igualmente próprios da época, ao seu presidente. E ao fazê-lo, deixou perceber que em Alvalade o fornecedor de verniz que há um ano rejubilou quando Leonardo Jardim se cansou de Bruno de Carvalho e o polimento estalou, volta agora a esfregar as mãos.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)