Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Miguel Alexandre Ganhão

Guerra aberta nas compras públicas

Outras duas auditorias confirmaram cobranças indevidas que viciavam o acesso aos concursos.

Miguel Alexandre Ganhão(miguelganhao@cmjornal.pt) 26 de Dezembro de 2016 às 01:04
Estalou a ‘guerra’ nas plataformas eletrónicas que servem de base para as contratações do Estado. Os problemas arrastavam-se desde 2014, quando a plataforma Gatewick, gerida pela empresa Construlink, foi objeto de auditoria, como consequência de denúncias de vários operadores económicos que acusavam a empresa de cobrar custos indevidos aos fornecedores que queriam participar nos concursos do Estado.

A objetivo da existência das plataformas eletrónicas é facilitar o acesso de vários fornecedores aos concursos públicos que são lançados todos os anos. O serviço é suposto ter um custo simbólico de modo a que o maior número de fornecedores possam concorrer entre si.

Este ano, foram realizadas outras duas auditorias, em março e outubro, que confirmaram a existência de cobranças indevidas que viciavam o acesso dos interessados aos concursos públicos. Face a esta situação, o Instituto dos Mercados Públicos, do Imobiliário e da Construção (IMPIC) cancelou a autorização da Construlink para operar a plataforma Gatewick, obrigando à suspensão imediata da atividade por tempo indeterminado. A empresa reagiu com uma providência cautelar para suspender aquela decisão. O IMPIC ripostou. Invocando o interesse público, o IMPIC ignorou os efeitos legais da providência cautelar e decidiu manter a suspensão por um prazo indefinido.

Recorrendo aos tribunais, os responsáveis da Construlink exigem agora uma indemnização de 80 milhões de euros.

Despedidos da Sonangol reagem contra Isabel dos Santos
A filha do presidente angolano despediu toda a Comissão Executiva da Sonangol P&P e assumiu ela própria a presidência daquela subsidiária da petrolífera angolana. Poucas horas após a demissão, Carlos Saturnino, CEO exonerado, enviou um mail a Isabel dos Santos afirmando que "não é correto nem ético atribuir culpas à equipa que somente esteve a dirigir a empresa no período entre a 2ª quinzena de abril/2015 e 20 de dezembro de 2016".

O ex-CEO  acompanhara a visita de Isabel dos Santos à empresa poucas horas antes de ter conhecimento de que havia sido exonerado.
Construlink Instituto dos Mercados Públicos economia negócios e finanças tecnologias de informação
Ver comentários