Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
8
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Miguel Alexandre Ganhão

Os nus e os votos

O título desta crónica é um óbvio e distorcido plágio à obra-prima do escritor Norman Mailer e serve de aviso para dizer que vamos falar de livros.

Miguel Alexandre Ganhão(miguelganhao@cmjornal.pt) 9 de Maio de 2015 às 00:30

O título desta crónica é um óbvio e distorcido plágio à obra-prima do escritor Norman Mailer e serve de aviso para dizer que vamos falar de livros. O que leva um primeiro-ministro de 50 anos, que cumpre o seu primeiro mandato, a autorizar a publicação da sua biografia é um mistério.

Se é uma cedência aos gurus da comunicação para "humanizar" o homem político, é ao mesmo tempo a admissão de que, enquanto político deixou de ser "humano" nas decisões que tomou.

Se é arma de propaganda, espalha-se num pífio efeito quando comparada com aquilo que os seus adversários podem fazer.

Imaginem o que era, se José Sócrates decidisse agora escrever um livro. Não umas memórias do cárcere, mas um testemunho político dos últimos momentos do socratismo e da participação de Passos Coelho neste processo.

Façam o seguinte exercício; de um lado, o livro de Passos. Do outro, a obra de Sócrates. Que livro escolheriam para levar para férias? Vamos tornar a escolha ainda mais difícil... com uma terceira hipótese; o livro de Isaltino Morais que deve sair dentro de dias... nem é preciso responder!

Norman Mailer José Sócrates Passos Coelho Isaltino Morais política
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)