Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
6
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Miguel Alexandre Ganhão

Portas dá consultoria no Parlamento

Os encontros com os homens da Mota-Engil decorreram uma semana antes do congresso do MPLA.

Miguel Alexandre Ganhão(miguelganhao@cmjornal.pt) 18 de Agosto de 2016 às 00:30
Na semana passada, Paulo Portas recebeu 17 quadros da Mota-Engil nas instalações que o CDS-PP tem no Parlamento.

O ex-vice-primeiro-ministro, que fundou a sociedade Vinciamo (‘ganhamos’, em português) com a mãe, Helena Sacadura Cabral, e que foi contratado como consultor pelo grupo liderado por António Mota, teve uma semana em cheio. Foi um corrupio de engenheiros, de segunda a sexta, a entrar no Parlamento para falar com o Dr. Portas.

Como o ex-deputado já não tem gabinete na Assembleia, foram as instalações do grupo parlamentar do CDS-PP que serviram de local de encontro. Foi impossível saber se os dirigentes do PP tinham conhecimento das reuniões.

A razão de tantos encontros ficou mais clara esta semana. Portas é um dos convidados portugueses no VII Congresso ordinário do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), que começou ontem, e a Mota-Engil é uma das empresas com mais negócios naquele país. Foi até constituída a Mota-Engil África, que foi cotada na bolsa de Amesterdão apenas pouco mais de um ano.

Mas não é só Portas que anda numa roda-viva. O seu ex-chefe de gabinete, Manuel Brandão, também tem estado particularmente dinâmico. No início deste mês, criou mais uma sociedade, com um nome muito curioso: Secretiguaria. Trata-se de uma empresa dedicada à consultoria de gestão, desenvolvimento de empresas a nível doméstico e internacional e estudos de mercado e serviços de marketing.

----------

Negócio da Oi continua a dizimar contas dos bancos portugueses
O péssimo negócio entre a Portugal Telecom e a brasileira Oi continua a deixar rasto na Banca portuguesa. A exposição à dívida da operadora brasileira (que entrou em processo de recuperação) afetou as contas da Caixa Geral de Depósitos, BCP, Novo Banco, BIC e ainda do Montepio. O regulador português impôs que essas perdas fossem reportadas já na sua totalidade, embora os bancos tivessem cinco anos para o fazer. A ideia é refletir já no balanço a imparidade com a empresa brasileira, antes mesmo de se saber qual será o destino da operadora de telecomunicações.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)