Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Octávio Ribeiro

Carta a uma Meritíssima

Leia a carta aberta de Octávio Ribeiro à juíza Florbela Lança.

Octávio Ribeiro(octavioribeiro@cmjornal.pt) 31 de Outubro de 2015 às 00:30
Meritíssima Senhora Juíza, Drª Florbela Lança, escrevo-lhe nestes dias tristes em que uma douta decisão de V. Exª ditou o silenciamento do nosso jornal na investigação a José Sócrates. Essa investigação, Meritíssima, vem de longe.

Há no CM um vasto acervo de documentos (jornalísticos, entenda) sobre este caso. Há aqui no CM uma memória coletiva, que une velhos e novos jornalistas no esforço de desbravar um dos mais relevantes dossiês das últimas décadas da vida pública portuguesa. Meritíssima, quando, muito antes de qualquer processo judicial, enviámos uma equipa a Paris para percorrer os caminhos diários do ex-primeiro-ministro, não sabíamos o que iríamos encontrar. Imagine a Meritíssima que testemunhávamos um José Sócrates com hábitos de classe média e muito apego ao estudo?

Não estaria aqui a escrever-lhe esta carta aberta, nem V. Exª na foto acima, vergada à assinatura perante o sorriso de um governante de Sócrates.

Meritíssima, a decisão que ditou o nosso apagão é desproporcionada, injusta e sem fundamento. Se nos tivesse dado possibilidade de defesa, talvez pudesse melhor julgar. Mas acatamos a decisão, até a conseguirmos reverter. E, apesar destes dias de chumbo, Meritíssima, continuamos a confiar na independência, sabedoria e bom senso dos juízes de Portugal.
Florbela Lança José Sócrates investigação liberdade de imprensa Correio da Manhã CM
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)