Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
1
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Padre António Rego

Aqui tão perto

Vejo Teresa em todos os recantos, nas ruas, na igreja, nas flores.

Padre António Rego 29 de Maio de 2016 às 01:45
Ando por Lisieux, num encontro de reflexão. Mas perco-me a olhar a cidade pela janela. Vejo Teresa em todos os recantos: nas ruas, na igreja, nos verdes, nas flores. Como um perfume que anda no ar.

Lisieux é ela, a sua infância, a sua casa, os seus pais Zélia e Luís Martin que foram canonizados há um ano pelo papa Francisco. É a "História duma alma", que li na juventude e me deixou marca indelével do que ela foi na família de sangue e do Carmelo. Nada fez nem disse de extraordinário. Apenas foi extraordinária em tudo e em cada momento. Sobretudo no aparentemente insignificante.

A sua fotografia, com os olhos presos em nós, deixa uma impressão forte, uma frescura de juventude, serena e inocente, sem o mais pequeno trejeito de santa. Morreu aos 24 anos. Lembro-a desde jovem e da grandeza das suas pequenas histórias.

Teresa é glória de Lisieux. E da Igreja. Ela só soube disso quando chegou ao céu porque na terra nada parecia deixar de vistoso. É uma santa moderna, viva, humana, missionária assumida, criadora duma espiritualidade apaixonante. Ao lembrá-la, tenho presentes tantos e tantas que já vieram depois e aí estão, vivos no seu olhar e no contágio do seu exemplo. Não me digam que já não há santos.
Teresa Lisieux Luís Martin História religião papa Francisco
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)