Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Paulo Rodrigues

Mais um recorde

Em algum lado deve andar a verba para a promoção a agentes e chefes.

Paulo Rodrigues 5 de Março de 2016 às 00:30
A ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, foi nesta última semana ouvida no Parlamento sobre o Orçamento do Estado para 2016 e percebemos que a PSP tem um orçamento suficientemente flexível para fazer face a qualquer eventualidade. O que nos parece bem.

A PSP poderá gerir de forma mais flexível verbas que canalizará para aquilo que é mais importante e o principal motor da instituição, neste caso, na criação de instrumentos mais céleres de progressão na carreira dos seus profissionais, ou na criação de condições de trabalho que garantam a qualidade de vida profissional.

Ficámos também a saber que na PSP até sobraram verbas de 2015 em algumas rubricas, o que não é de estranhar. Em algum lado deve andar a verba acumulada, que já vem desde 2014, para a promoção de profissionais a agentes principais e chefes principais, que lamentavelmente ainda não aconteceu.

Um concurso que se iniciou em 2014, que ainda não terminou e onde nenhum argumento justifica este lamentável atraso sendo, no mínimo, irónico acontecer nesta moderna instituição.

Algo que, pela sua singularidade, é digno de registo no livro de recordes do Guinness.
Paulo Rodrigues opinião
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)