Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
5
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Paulo Rodrigues

Um peso e 2 medidas

Quem nega a democracia sujeita-se à intolerância.

Paulo Rodrigues 9 de Dezembro de 2017 às 00:30
Já é hábito os Governos, que deveriam dar o exemplo, tratarem de forma injusta os seus funcionários, não respeitarem os seus direitos ou aceitarem que as instituições interpretem as leis ao sabor da vontade dos administradores. Não pode um Governo eleito pelo povo tratar os seus trabalhadores como se estivéssemos em ditadura.

Não pode um Governo apenas tratar com justiça aqueles setores que, com toda a legitimidade democrática, têm direito à greve. O Governo não pode deixar de fora os polícias na contagem do tempo congelado para efeitos de progressão na carreira. Até porque quando se congelaram as progressões nas carreiras da função pública, a polícia não ficou de fora, pelo que também agora não poderá ser deixada de parte no modelo de descongelamento a aplicar aos diversos setores.

O Estado condicionou sempre o direito à greve na polícia por considerar que este setor deveria merecer atenção especial. Ora, a mensagem que o Governo está a passar é a de que só os setores que têm direito à greve são respeitados, vendo os seus direitos, totalmente legítimos, respeitados. Esta é uma mensagem que valida todo o tipo de ações por parte dos polícias. Quem nega a democracia sujeita-se à intolerância.
Governos Estado Governo economia negócios e finanças política governo (sistema) questões sociais
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)