Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
2
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Pedro Mourão

Humanoides

Não são ficção. No japão já são fabricados em escala.

Pedro Mourão 29 de Julho de 2017 às 00:30
Poder-se-ia começar com o livro ‘Podem os Robôs tornarem-se Advogados?’.

O programa COIN (Contract Intelligence) conclui que um robô faz em segundos o que demorava 360 mil horas ao advogado, antevendo-se que em 2025 cerca de 25% das decisões serão robotizadas.

Começa-se a sentir a subjugação do Homem pela inteligência artificial, colocando-se questões novas - sociais e geracionais -, para as quais, aparentemente, aqui está tudo a Leste! Repete-se a matriz, espera-se que outros façam para depois copiar e nem sempre bem?

A competência de algumas Escolas de Direito lá de fora leva-as já a estudar o ‘Estatuto de Pessoas Eletrónicas’. Os humanoides não são ficção. No Japão, são fabricados em escala.

Os humanoides têm tato e respondem a uma qualquer pergunta, possuindo 62 diferentes expressões faciais e lá longe (!) já tomam conta de idosos.

Tende pois a desaparecer o manual, cognitivo e transacional.

Estamos no domínio das neurociências e deparamo-nos com a necessidade da regulação ética da leitura da mente, para se aferir, por exemplo, a introdução de scanners nos aeroportos para se verem as intenções.

Há a esperança de que esta realidade coloque a justiça nos carris do socialmente importante por estrutural, que os pobres dos humanos por cá não querem ou não têm sabido cuidar.
Pedro Mourão opinião
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)