Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
9
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Pedro Santana Lopes

Conversas de chacha

As confissões religiosas têm aqui um papel muito importante a desempenhar.

Pedro Santana Lopes 25 de Agosto de 2017 às 00:30
Há temas que se vão discutindo na sociedade contemporânea que causam muita surpresa.

Na última semana tivemos mais uma polémica muito interessante, a de se saber se deve haver cadernos ou livros de escola com cores diferentes para rapazes e raparigas.

Uma pessoa lê e nem acredita que se perca tempo, nomeadamente as autoridades, a debater semelhante matéria. Mas segundo já me foi explicado a questão não era só da cor, mesmo lá dentro, por exemplo, o exercício com labirintos era mais difícil para os rapazes do que para as raparigas.

E, portanto, chegamos à conclusão de que a Porto Editora, que tem anos e anos de intervenção cultural muito meritória, está alheada do tempo, pois vivemos em tempos de igualdade de direitos, de igualdade no que respeita a géneros.

Foi mais uma polémica inesperada a juntar a outra suscitada pela recandidatura de Isaltino Morais. A sociedade portuguesa resolveu agora debater se pessoas que foram condenadas devem ou não ser impedidas de se recandidatar depois de cumprirem a pena.

Esta polémica fez-me lembrar, entre outros exemplos, o de Alain Juppé que foi condenado, aos anos, a uma pena pelo crime de peculato, com pena suspensa, e esteve afastado enquanto o tempo da pena durou e depois regressou. Esteve até há pouco no governo como ministro dos Negócios Estrangeiros e esteve quase para ser presidente e para ser escolhido para ser o candidato do centro-direita, tendo perdido para François Fillon.

Vivemos de facto num tempo em que se pretende alterar os fundamentos nos quais fomos conhecendo o Estado democrático de Direito e em que os princípios nos quais nos formámos vão caindo uns atrás dos outros.

Já não se presume a inocência, as pessoas são condenadas com base em suspeitas no pelourinho da opinião pública e em relação ao segredo de justiça é quase caricato ouvir a expressão.

Outra polémica foi a do castigo aplicado ao árbitro de futebol por causa de palavrões que terá dirigido a um guarda-redes até do meu clube, da equipa B. Mas, quando li e ouvi, pensei que era uma brincadeira.

O futebol, desde que o conhecemos, tem palavrões dentro de campo, todos os seus intervenientes dizem palavrões dentro de campo, desde os treinadores aos jogadores e os árbitros, pelos vistos, de vez em quando. Eu penso que Portugal de repente entrou numa onda de punição por tudo e por nada, seja o que for, mesmo de situações que sempre existiram e que nunca ninguém levou a mal.

Há aqui um desequilíbrio manifesto e é isso que é grave porque as sociedades, tal como as pessoas, querem-se equilibradas, nomeadamente na relação que existe entre as suas diferentes componentes.

E com franqueza, a Igreja, as Igrejas, as confissões religiosas, têm aqui um papel muito importante a desempenhar e vejo-as demasiado silenciosas nomeadamente em matéria de direitos, liberdades e garantias.

Festival de Vilar de Mouros 
A edição de 2017 do festival de Vilar de Mouros que ontem teve início promete animar todo o fim de semana. Ao longo de três dias, haverá música para todos os gostos, desde o rock alternativo, com os Primal Scream, à música portuguesa, com Salvador Sobral - vencedor do último Festival da Canção, e à música eletrónica com os Morcheeba.

Como já vem sendo hábito, até noutros festivais, a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML) marca presença junto ao palco principal, disponibilizando uma plataforma para pessoas com mobilidade reduzida ou condicionada, e também nas margens do Rio Coura com a campanha de sensibilização "Mergulho Seguro", que pretende alertar os banhistas para os perigos que decorrem de mergulhos mal calculados ou em locais cuja profundidade é desconhecida.

Tanta azia que Jesus provocou 
Jorge Jesus calou muita gente com os dois resultados que o SCP obteve em Guimarães e em Bucareste. Estava muita gente de faca afiada pronta para lhe cair em cima.

E alguns ficaram com tanta azia, que depois do jogo contra o Steaua não pararam de dizer que o Steaua era muito fraco e que portanto era o que faltava se o Sporting não ganhasse.

Estamos sempre com dois pesos e duas medidas mas se fossem outros a fazer uma exibição daquelas, quantos elogios! Tanta azia.

PROTAGONISTAS
Lua Cheia
Angela Merkel
Em plena campanha eleitoral, a chanceler alemã deixou um aviso ao presidente do Estados Unidos da América, Donald Trump: "Para a América ser grande, não se pode preocupar apenas consigo".

Quarto Crescente
Teresa Portela
Em conjunto com Fernando Pimenta (K1 1.000) apurou-se para as meias-finais na categoria de K1500 dos mundiais de canoagem, que decorrem em Racice, cidade da República Checa.

Quarto Minguante
Michel Temer
O presidente brasileiro promulgou esta semana um decreto para permitir a exploração de ouro e de outros minerais em quatro milhões de hectares de reserva natural na Amazónia.

Lua Nova
Nicolás Maduro
Depois de alguns meses agitados para o governo de Caracas, Luisa Ortega, ex-procuradora-geral da Venezuela, afirma que Maduro está envolvido em casos de corrupção.
Pedro Santana Lopes opinião
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)