Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Pedro Santana Lopes

Os ex e os atuais autarcas

Rui Rio conseguiu vitórias muito impressivas e deixou uma belíssima recordação.

Pedro Santana Lopes 20 de Maio de 2016 às 01:45
As próximas autárquicas, que devem realizar-se no início do 4º trimestre de 2017, terão uma particularidade bem interessante. Sucede que os anteriores presidentes de Câmara que não puderam candidatar-se por já terem cumprido três mandatos consecutivos voltam a estar na plenitude dos seus direitos para esse ato eleitoral.

No Porto, Rui Rio, se quiser, pode voltar a ser candidato e Luís Filipe Menezes também o poderia ser em Gaia, ou Ministro dos Santos em Mafra, Manuel Frexes no Fundão, Fernando Costa nas Caldas da Rainha, Joaquim Mourão em Castelo Branco e tantos outros, como alguns ex-presidentes do PCP em Câmaras do Alentejo e uma ex- -autarca do BE em Salvaterra de Magos.

Refiro-me a casos em que a Câmara ficou na mesma cor política do mandato anterior, embora o problema também se possa pôr quando há mudança de partido como, por exemplo, em Évora, onde o ex-presidente José Ernesto Oliveira (PS) poderá voltar a disputar eleições para aquela Câmara, neste caso, contra Carlos Pinto Sá (CDU), que, por sua vez, esteve impedido de se candidatar em 2013 a Montemor-o-Novo.

Esta possibilidade que a lei abre coloca questões políticas complexas. Um presidente que tenha completado três mandatos não é obviamente uma pessoa indiferente aos seus conterrâneos, e quem o tenha substituído não fez mais do que um mandato. Ora, será um mandato suficiente para o novo presidente apagar a imagem deixada pelo anterior?

Acredito que sim em vários casos, mas não é líquido. Costuma-se dizer que Rui Moreira granjeou um apoio considerável na sociedade do Porto enquanto presidente, mas Rui Rio conseguiu sempre vitórias muito impressivas e deixou uma belíssima recordação.

E Luís Filipes Menezes, para além de todas as polémicas em que continua envolvido, é um presidente de quem muitos cidadãos de Gaia guardam muito boas recordações. Como acontecerá no Montijo com Maria Amélia Antunes, onde o novo presidente de Câmara não terá tido tempo para se impor perante o trabalho da antecessora. Em Viseu, Almeida Henriques está a fazer um excelente trabalho, mas Fernando Ruas teve votações muito expressivas.

Naturalmente que vários anteriores autarcas não quererão voltar a disputar o lugar que já ocuparam. Mas já me chegaram notícias de algumas terras em que esse cenário se coloca. Oeiras parece ser um desses exemplos, em que tudo parece preparar-se para uma disputa entre Isaltino Morais e o seu sucessor, Paulo Vistas.

Além desse caso, há mais, em várias regiões, em que o presidente anterior se prepara para ser designado candidato pelo seu partido, e isso será tanto mais provável quanto, porventura, tiver ganho ou tiver o apoio da respetiva concelhia. E aí o que farão os atuais presidentes? Sairão de cena?

A 7.ª Rota das Tapas
Desde quarta-feira que já está a decorrer no Porto e em Lisboa a 7ª Rota das Tapas, com a novidade de que este ano se estende também à cidade de Braga. Até ao próximo dia 5 de junho, são oferecidos, em dezenas de restaurantes, um petisco e uma cerveja por três euros.

Ao todo, são 54 restaurantes em Lisboa, 29 no Porto e 21 em Braga, onde é possível saborear a fusão de sabores, aromas e sensações, tudo numa tapa. Além disso, a iniciativa é um bom pretexto para se passear um pouco por estas três belas cidades portuguesas.

Entretanto, já começou mais uma edição do Rali de Portugal, que durante este fim de semana irá proporcionar, certamente, momentos espetaculares nalgumas das estradas dos distritos de Viana do Castelo, Braga, Porto e Vila Real.

Um treinador extraordinário
Resolveu-se a história de Jorge Jesus. Fica mesmo no Sporting. Já há uma semana aqui escrevi que era a todos os títulos a boa opção para ele. Sou parte interessada porque sou sportinguista, mas aqui estou a pensar nele.

Não concordo em tudo com ele e penso que como ser humano há pontos na sua atitude face aos outros e a si mesmo que deveriam mudar, mas é de facto um treinador absolutamente extraordinário. É impressionante o que fez com o futebol jogado pelo Sporting.
Ver comentários