Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
4
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Raul Vaz

O glutão Costa

Encostou os comunistas às cordas e reduziu o Bloco à prosápia.

Raul Vaz 6 de Outubro de 2017 às 00:30
A leitura (palavra multidisciplinar) dos resultados das eleições de domingo não anda muito longe do costume: António Costa está nas boas graças do povo e tem caminho para subir um degrau no T2, T3 da área urbana da pátria. Águia como o bicho, percebeu na noite em que encostou os comunistas às cordas e reduziu os bloquistas à prosápia, que o milho aos pombos deveria alargar-se a outros ninhos.

Fácil, barato e com margem para alguns milhares de votos: a folga de IRS no escalão mais baixo e o desdobramento no segundo escalão, alarga-se ao terceiro patamar, porta de entrada de uma classe média com outras ambições e hábitos. Claro que a esquerda que acordou para uma realidade provável (ser progressivamente engolida pelo glutão Costa) tem pouca autoridade para estrebuchar.

O PCP perdeu um terço da sua influência autárquica, o Bloco ganhou uma freguesia no distrito de Braga – foi assim que Catarina Martins assinalou uma vitória histórica do partido que lidera. Fraca figura para quem quer condicionar orçamentos, ameaçar paralisações, determinar o futuro do país. A geringonça dificilmente fugiria a um fim feio. Costa vai, certamente, dar-lhe um toque de urbanidade.
António Costa T2 Braga T3 IRS PCP Catarina Martins Bloco política partidos e movimentos
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)