Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
4
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Ricardo Rio

Olímpicos

Os portugueses voltam a ressacar com a falta de medalhas.

Ricardo Rio 25 de Agosto de 2016 às 01:45
Terminou o maior espetáculo do mundo. Com os percalços logísticos que uma organização desta envergadura sempre propicia e ao arrepio da propensão para exacerbar as falhas que alguns pareceram cultivar, o Rio de Janeiro cumpriu exemplarmente a missão de cidade-anfitriã.

Para lá das memórias dos que competiram e assistiram aos Jogos, esta Olimpíada deixa um amplo legado de infraestruturas desportivas e de regeneração urbana cujo mérito e razoabilidade só o futuro poderá avaliar.

No plano desportivo, os Portugueses voltam a ressacar com a falta de medalhas de modalidades e atletas que estão entre os melhores do mundo, mas de que a esmagadora maioria nunca ouviu sequer falar ao longo dos quatro anos anteriores.

Uns queixam-se da falta de apoios, outros prometem uma avaliação rigorosa da estratégia e a revisão das metas para o ciclo olímpico seguinte. Outros ainda avançam com a disponibilização de melhores condições de treino e alguns defendem a criação de uma nova cultura desportiva e de um trabalho de fundo de potenciação dos talentos desde a mais tenra idade.

Assim se repete a cada 4 anos. Mas a discussão termina amanhã: domingo há derby e depois joga a Seleção…
Rio de Janeiro Jogos Olímpicos desporto medalhas atletas
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)