Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
3
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Ricardo Tavares

Proença cada vez mais isolado

No caso dos emails acordou quando a conversa do bruxo já estava estafada.

Ricardo Tavares 15 de Julho de 2017 às 00:30
O PSD retirou uma proposta de alteração legislativa que visava atribuir às Federações com provas profissionais a regulamentação da arbitragem e da disciplina.

Em teoria, com uma mão dava-se mais poder à Federação Portuguesa de Futebol (FPF) e com a outra tirava-se o pouco que a Liga de Clubes tem.

A proposta social-democrata, doutrinariamente falando, fazia sentido, porque a Liga deve concentrar-se, tão-só, na gestão dos quadros competitivos e na defesa da indústria, por sinal muito maltratada, precisamente por aqueles a quem compete cativar público para encher os estádios.

Em termos substantivos, era igual ao litro, pois a Assembleia Geral da FPF já tem poder de veto sobre os regulamentos disciplinar e de arbitragem da Liga – um exemplo paradigmático é o do ‘chumbo’ da polémica norma para proibir o fumo (do cigarro de Bruno de Carvalho) na chamada zona técnica.

O que também não faz sentido é o cada vez mais isolado Pedro Proença – desta vez, célere nas reações à abortada proposta do PSD, ao contrário do que sucedeu no caso dos queridos emails, acordando quando a conversa do bruxo já tinha passado à reserva – argumentar com um golpe à autorregulação, pois, com estes dirigentes, ela é impossível.

Por isso, é fácil perceber a razão de as receitas dos clubes portugueses serem quase 13 vezes menores do que as dos ingleses.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)