Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
9
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Rui Hortelão

Fotografia polémica

Senhores do politicamente correto são cada vez mais nefastos.

Rui Hortelão 20 de Fevereiro de 2017 às 00:30
Os senhores do politicamente correto estão, por estes dias, empenhados em demonstrar o atentado moral que foi o World Press Photo (WPP) ter distinguido a fotografia que Burhan Ozbilici fez de Mevlüt Mert Altintas, momentos depois de este ter morto o embaixador russo na Turquia. Entre eles, o presidente do próprio concurso, Stuart Franklin, da Magnum, esquecendo-se de todas as imagens que a agência em que trabalha mostrou da guerra do Vietname.

Na prática, os arautos da moral fazem a sequela da discussão sobre a legitimidade do fotojornalista da AP ter disparado a câmara depois do terrorista ter disparado a arma. Admitem fotos com crianças mortas, como a da Aylan Kurdi, ou a fugir da morte após um derrame de napalm – WPP em 1973 – porque estimulam a compaixão. Mas, por conveniência, não falam da foto que venceu em 1968: um chefe de polícia a executar com um tiro na cabeça um preso, em Saigão.

Já é tempo dos senhores do politicamente correto refletirem sobre o seu papel no crescente radicalismo político e terrorista ou na eleição de Donald Trump. E de ouvirem pessoas como o escritor Paul Auster: "Com Trump, o silêncio já não é opção, temos todos de falar."

Por ironia, são os mesmos que detestam Trump.
World Press Photo WPP Burhan Ozbilici Mevlüt Mert Altintas Stuart Franklin Magnum AP Aylan Kurdi
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)