Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
1
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Rui Hortelão

Uma mãe e o abono

A "justiça social" do Governo não agrada a todos.

Rui Hortelão 28 de Novembro de 2016 às 01:45
A maioria dos cidadãos selecionados para questionarem diretamente António Costa e os seus ministros, na cerimónia de um ano de Governo, optou por perguntas abertas, o que facilitou a vida a quem respondia.

Como os outros, Cristina escolheu um tema que lhe interessava a si. Só que diferenciou-se ao abordar o seu caso concreto e perguntando por que razão o Governo retirou o abono de família a quem ganha 600/ 700 € – como ela, que recebia 20 €. "Até isso me retiraram", frisou esta mãe de duas filhas, de Braga. O primeiro-ministro foi incapaz de disfarçar a atrapalhação e o melhor que conseguiu foi justificar que "não se pode fazer tudo num dia e que é preciso começar por uma ponta".

Na prática, Costa não quis assumir as opções do Governo. Horas antes, por exemplo, foi anunciada a comparticipação dos dois medicamentos à venda em Portugal para deixar de fumar. Segundo as contas do CM, o Estado dará 32,41 € ou 26,22 €, por mês (toma diária de dois comprimidos), aos fumadores arrependidos.

"A medida visa repor alguma justiça social", defendeu o ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes. Cristina, a mãe de Braga, provavelmente como tantas outras que perderam os abonos dos filhos, não concorda.
António Costa Governo Portugal Adalberto Campos Fernandes Braga medicamentos tabagismo
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)