Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
9
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Rui Moreira

Progresso ou imobilismo?

O Porto vive um momento interessante de desenvolvimento e otimismo. Há um ambiente favorável aos investidores.

Rui Moreira 26 de Março de 2017 às 00:30
Esta semana partilhei na minha página de Facebook uma notícia de um jornal diário que, citando um estudo independente, afirmava que os investidores estão a voltar as atenções para a zona oriental do Porto e que a procura de espaços industriais está a crescer nas freguesias do Bonfim e Campanhã. Haverá vários fatores que justificam o interesse. Mas algum mérito caberá também ao discurso e atuação da atual Câmara Municipal em relação à zona oriental da cidade e aos investimentos que lá estão anunciados. É que o mercado é mesmo assim. Se dissermos que algo vai correr bem, então correrá melhor. Ao contrário, se dissermos todos os dias que vai correr pior, então aumentará a probabilidade de correr mesmo mal.

O Porto vive um momento interessante de desenvolvimento e otimismo. Existe um ambiente favorável aos investidores, criam-se todos os dias novos negócios e empregos e isso potencia o interesse de novos moradores. Porque há confiança. Mas esse sucesso chateia os bem instalados, os que, muitas vezes, à falta de concorrência, se conseguiram governar. Sobretudo, incomoda os Velhos do Restelo, incapazes, no passado ou no futuro, de fazer melhor. E assim, logo que se publica uma notícia como a que me referi, são disparadas críticas e proferidos os novos chavões do imobilismo. Se o investimento é na Baixa é porque se está a descaracterizar o tradicional e a criar pressão. Se é na zona ocidental, é porque queremos tudo na Foz, onde moram os ‘ricos’. Mas quando é em Campanhã, logo alguém dispara: "então e os escritórios da Baixa, ficam vazios?".

São os mesmos que, antes de eu chegar à Câmara, criticavam o meu antecessor pelas razões inversas e chamavam a atenção para a pré-ruína da Baixa, para a decadência de Campanhã, para o elitismo da Foz. E clamavam por gente no centro histórico e pelo turismo, criticavam os preços baixos do imobiliário que penalizavam os proprietários e choravam por serem tão baixos os preços do arrendamento e que isso travava a reabilitação. E travava, realmente! A reabilitação e preservação do património.

Sim, o Velho do Restelo tem essa face dupla. Não quer gente quando há gente e quer tudo baratinho quando o preço sobe. E quer o seu contrário, desde que tudo fique igual ou pior. E tem saudade de um Porto sujo, cinzento, vazio e perigoso. E também não quer ouvir falar de Campanhã e do Bonfim, onde, só por muito azar, terá alguma vez passado. Credo!


-----

Exposição: Explorar o oceano
'Mar de Inovação - Explore as profundezas do Oceano’ é o título de uma exposição patente no Porto Innovation Hub, projeto da autarquia instalado ao lado dos Paços do Concelho. A exposição foi desenvolvida em parceria com a Universidade do Porto, com coordenação do OCEANUS, Centro de Competências para as Ciências e Tecnologias do Mar e pode ser visitada até 15 de maio. Reunindo o que de melhor é feito pela Universidade do Porto na área do mar, a mostra pretende explorar todo o potencial do Mar no contexto da inovação, investigação e potencial económico, nomeadamente no que se refere ao desenvolvimento de novas empresas tecnológicas. É também um excelente exemplo da atual relação e articulação entre Câmara do Porto e Universidade, um dos maiores ativos da marca Porto.

Ambiente: Frota automóvel elétrica
Os temas do ambiente são sempre muito discutidos no Facebook quando deles se fala. O Porto reduziu muito as suas emissões de CO2 na última década, muito graças ao Metro. Mas a cidade quer mais. A STCP vai ter uma nova frota ecológica e também os carros da autarquia serão elétricos dentro em breve. Da polícia aos veículos dedicados ao ambiente e às empresas municipais que tratam dos bairros e das obras, todos vão passar a dispor de veículos elétricos. O custo pode ser, agora, um pouco maior, mas só em poupança com combustível, a Câmara ganhará cerca de 600 mil euros por ano. Vale a pena e os seguidores no Facebook estiveram, esta semana, de forma esmagadora, de acordo com a estratégia.

Ver comentários