Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Rui Pereira

Contar os mortos

A dimensão da tragédia tornaria estulta. Qualquer tentativa de mentir.

Rui Pereira 29 de Julho de 2017 às 00:30
Contar os mortos nunca foi uma operação incontroversa.

Para começar, o próprio conceito de morte percorreu um longo caminho, durante o qual foram enterrados muitos vivos em paragem respiratória, até chegar ao estádio atual (cessação generalizada e irreversível das funções do tronco cerebral), que permite salvar tantas vidas graças à colheita e transplante de órgãos.

Mas a morte também tem a sua atribulada história política, recheada de mentiras e omissões.

As ditaduras têm o vício de esconder as mortes inconvenientes e as democracias não desdenham a manipulação em tempo de guerra.

Juridicamente, a imputação de uma morte a crime ou acidente é resolvida através de critérios complexos como a ‘causalidade adequada’ e o ‘risco’.

As estatísticas criminais, o número de vítimas de acidentes rodoviários e a dimensão da área ardida são, em Portugal, tópicos obrigatórios da guerrilha político-partidária, com a comunicação social a assumir o papel mediador.

O episódio de Pedrógão representou mais um passo nessa escalada bélica, com a oposição a acusar o Governo de mentir e de não ser transparente.

A dimensão da tragédia tornaria estulta qualquer tentativa de mentir.

A PGR procedeu bem ao pôr fim à polémica, revelando o número e a identidade das vítimas. Só se estranha a invocação (absurda, salvo o devido respeito) do segredo de justiça.

O número e a identidade das vítimas podem e devem ser revelados pelo Estado, em cumprimento dos deveres de informação.

Alguém se lembrou já de invocar o segredo de justiça quanto a vítimas de atentados terroristas ou quedas de aviões (ressalvando a identidade de terroristas)?

E em que medida é que esses dados, pré-processuais, protegem a investigação ou a presunção de inocência?

A resposta é simples: antes do processo, há uma catástrofe e os cidadãos têm o direito de ser informados.
Rui Pereira opinião
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)