Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Teófilo Santiago

Magistraturas

Podem os magistrados ficar cientes que não estarão sozinhos.

Teófilo Santiago 31 de Julho de 2015 às 00:30
Quando se esperava que as férias judiciais trouxessem a habitual acalmia na lufa-lufa diária dos tribunais apenas interrompida por uma ou outra situação que, teimosamente, não quer respeitar este período de "justiça a meio gás" obrigando à intervenção dos turnos, eis que "rebenta a bernarda".

As várias estruturas das magistraturas, que não apenas as de cariz sindical, acordando duma, pelo menos aparente, letargia em que assistiram passiva e tranquilamente (quando não colaborando ativamente, nalguns casos) a ataques maliciosos, de origens diversas, tendentes a enfraquecer a PJ – a "sua policia"– envolveram-se numa acesa e dura contenda com o Ministério da Justiça, tendo como pano de fundo os projetos de alteração de estatutos dos magistrados.

O caso não é para menos. As magistraturas acusam o poder político, sem rodeios ou rodriguinhos, de, a pretexto da revisão dos estatutos, querer, unicamente, criar condições para as controlar retirando-lhes o que têm de mais valioso e identitário, a independência e a autonomia. Podem os magistrados ficar cientes de que nesta luta, por aqueles valores inalienáveis, não estarão sozinhos, terão com eles todos os agentes judiciários e os que continuam a acreditar no Estado de direito democrático.
magistraturas Polícia Judiciária Ministério da Justiça crime lei e justiça política
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)