Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
5
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Tiago Rebelo

O jogo da sedução

“Ela receia que, depois de a ter, ele se desinteresse e a esqueça. Mas ele está realmente apaixonado”

Tiago Rebelo 5 de Julho de 2015 às 00:30
Ela faz rodar um pouco a saia, leva uma mão ao joelho e levanta o tecido só um pouco, distraidamente, como se fosse um gesto casual e inocente. Tal basta para que ele se renda aos seus encantos femininos. Ela sabe que ele a deseja, mas quer que ele a ame para sempre, por isso impõem--lhe obstáculos sucessivos de modo a obrigá-lo a lutar por si.

Ele convidou-a para sair, ela disse-lhe que não. Não disse que não queria, mas que não podia. Negou-se-lhe com pretextos falsos uma, duas, três vezes. Se ele a quisesse realmente, não desistiria, pensou, haveria de persistir até conseguir.

Por fim, ela aceita um convite para jantar. Ele leva-a a um restaurante agradável, com vista para o mar. Chegam cedo e ficam a ver o sol a desaparecer no horizonte de cores rubras. Ela pensa naquele cenário maravilhoso como um momento ideal que ficará indelével na história deles. Ele, encantado, só pensa em fazer tudo bem para a conquistar. Na verdade, ele já a conquistou, mas não está certo disso porque a incerteza é a arma dela para ele se apaixonar.

Ela receia que, depois de a ter, ele se desinteresse e a esqueça. Mas ele está realmente apaixonado e, quando a noite cai e se concentram um no outro como se fossem o centro do mundo, vai-se sentindo mais seguro, inspirado, eloquente e divertido.

Depois do jantar, ele segura a sua mão enquanto caminham para o carro e, antes de partirem, ela consente-lhe um beijo.

Vão a caminho de casa e ela pergunta-lhe: O que é para ti uma relação perfeita? Ele pensa que não existem relações perfeitas, mas pensa também, muito depressa, qual será a resposta que ela quer ouvir. Uma relação perfeita, diz, é aquela em que o amor nunca é derrotado pelas dificuldades. E achas que podíamos conseguir isso? Acho, claro que sim, responde com entusiasmo.

Ela gostou de tudo, do pôr-do- -sol, de lhe dar a mão, dos beijos que trocaram. Gostou tanto que no dia seguinte espera impaciente que ele lhe telefone. Mas ele, convencido de que já a conquistou, fá-la esperar até à noite, como se não tivesse pressa de voltar a falar-lhe. E agora é ela que sofre pela sua atenção.

Ao fim de algumas semanas juntos, estes jogos de sedução dão lugar à segurança apaixonada do amor correspondido. Estão felizes, a companhia dela é tudo o que ele deseja e não quer mais nada do que isso; ela, sonhadora, já imagina o dia em que ele a vai pedir em casamento, a casa onde vão morar, os filhos que vão ter. Mas isso, pensa, ainda vai demorar um bocadinho a conseguir.

Tiago Rebelo crónica jogo sedução história
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)