Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
5
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Eduardo Dâmaso

A deriva italiana

Berlusconi vai somando casos que comprometem a sua imagem pública. Ainda sob o efeito do escândalo da utilização de meios públicos para as festas privadas na sua casa da Sardenha – que transformou em zona militar e espaço protegido pelo segredo de estado – vem agora a ex-mulher contar mais uns casos delicados da vida do casal.

Eduardo Dâmaso(eduardodamaso@sabado.cofina.pt) 23 de Agosto de 2009 às 00:30

Desta vez, a imagem de Berlusconi abanou. A soma de factos – relacionamento com raparigas próximas da fasquia legal da menoridade, as orgias, o divórcio, o fim da ficção do homem de família – causou profundo mal-estar no centro-direita católico que suporta o primeiro-ministro. Talvez não o suficiente para o derrotar, mas seguramente para o avisar de que não estão dispostos a suportar tudo.

Este seria o ponto de não-retorno de Berlusconi se existisse uma oposição política a sério e se a formação das opções de voto em todo o país acima de Roma e nas ilhas não fosse decisivamente formada pelo império televisivo de Berlusconi. Mas essa é a realidade e configura uma atitude de total indiferença dos eleitores face à manipulação delinquente do Estado e da lei que os governos de Berlusconi têm feito. Itália é um dos piores exemplos de entrega do poder de Estado a grupos de interesses. Sempre a coberto da legitimidade conquistada nas urnas e no respeito (eterno) pela presunção de inocência...

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)