Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
7
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Paulo Rodrigues

A formosura da gordura

PSP tem papel preponderante. Não saber cortar pode traduzir-se num gasto monstruoso.

Paulo Rodrigues 17 de Agosto de 2013 às 01:00

Dizem o Governo e o MAI em particular que é necessário poupar na PSP.

Gostávamos que o Governo antes do discurso da poupança pagasse as dívidas que tem para com os polícias, desde 2010, decorrentes da entrada em vigor do Estatuto. Qualquer português aceita bem esta mensagem. Mas, muitas vezes, acredita-se mesmo que poupar passa sempre por cortar.

Cortar em tudo, nos equipamentos, no efetivo, nas condições, ou seja, cortar até nos pilares basilares de uma instituição como a PSP, que tem um papel preponderante na vida da sociedade. Não saber cortar pode traduzir-se num gasto monstruoso. Apesar de ouvirmos com regularidade o slogan dos políticos, o de cortar nas gorduras do Estado, continuamos a confrontar-nos com uma prática bem diferente.

Ouvimos todos os dias os altos valores inadmissíveis que são pagos a determinados grupos ou empresas pelo Estado, e o desemprego a aumentar, continuamos a olhar para as mordomias vergonhosas de alguns titulares de cargos públicos ou dos chorudos vencimentos, mas a reduzir os salários dos que executam.

Afinal quais foram as gorduras alvo de cortes, as "light"?

formosura gordura governo psp estatuto gastos light
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)