Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
6 de Março de 2007 às 00:00
O Sporting protestou o jogo de Leiria por duas razões: porque entende que Liedson foi mal expulso e porque acha que Paulo Costa se esqueceu de marcar um penálti no lance que acabou com o goleador a ‘escoicear’ as costas de Rossato.
À primeira vista, ambas as situações poderiam no máximo prefigurar erros de facto, insusceptíveis de dar ganho de causa aos leões. E se na primeira bem pode Soares Franco esforçar-se por explicar que Liedson estava a levantar-se “de costas para o adversário”, que todas as mentes imparciais vêem que o ‘levezinho’ lhe dá intencionalmente com os pitons nas costas, é a segunda que encerra o busílis da questão.
Porque Paulo Costa mostrou um amarelo a Rossato e este, de facto, não fez nada depois de ser agredido por Liedson, mas embrulhou-se claramente com o adversário, que lhe ganhara a dianteira antes de ambos caírem na relva. Neste caso, talvez haja matéria para análise – não pela gravidade da falta, mas porque aqui poderia entrar a monstruosa figura do ‘erro de direito’. A questão é que tudo vai ser decidido de acordo com o relatório do árbitro.
Precisam de um desenho? Então é assim: se este disser “mostrei cartão amarelo a Rossato por ter derrubado Liedson quando ambos corriam na área mas esqueci-me de marcar a falta, vejam lá que nem sei o que me deu!”, o protesto é válido; se disser “mostrei cartão amarelo a Rossato porque ele entrou em campo sem pedir autorização”, o protesto vai para o cesto dos papéis. Valerá a pena continuar a discussão?
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)