Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
5
28 de Agosto de 2003 às 00:00
Era fundamental não ficar refém do tempo: no entanto foi precisamente isso que aconteceu. Foram instantes eléctricos e angustiantes, todos eles bem à imagem de Camacho, um treinador que vive do instinto e exige adesão total aos futebolistas. Mas a pressa, apenas a pressa, nunca fez uma equipa.
Era preciso mais. Era preciso jogar com os minutos que passavam e tirar vantagem deles. Sem desesperar e com segurança. O Benfica nunca o soube fazer. É verdade que criou oportunidades de golo suficientes na meiahora inicial para anular o prejuízo. No entanto, também as concedeu à Lazio, revelando uma defesa macia e permeável.
Talvez se Simão tivesse jogado como pode, o resultado fosse outro. Não foi o caso; e agora sobra a Taça UEFA. Talvez seja melhor assim.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)