Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
4
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Pedro Santana Lopes

Arranque em "boa onda"

Depois de em 2007 o PSD ter tido Fernando Negrão como candidato à Câmara de Lisboa, agora tem Fernando Seara.

Pedro Santana Lopes 2 de Agosto de 2013 às 01:00

Depois de em 2007 o PSD ter tido Fernando Negrão como candidato à Câmara de Lisboa, agora tem Fernando Seara. Qual a semelhança entre os dois e as duas candidaturas? À partida muito poucas. São sempre complicadas as referências a pessoas, a propostas e a obras que não podem ser comparadas. Mas há sempre alguma afinidade. Por exemplo, a candidatura de Fernando Negrão surgiu num processo marcado por questões judiciais, essas, graves. A de Fernando Seara tem sido também condicionada por decisões judiciais, embora de natureza diferente. Há mais afinidades: Negrão vinha de Setúbal e Seara vem de Sintra. Nenhum deles tinha ou tem antecedentes, trabalho ou obra relacionada com Lisboa. Ao fim e ao cabo, o que é que as duas candidaturas têm a ver uma com a outra? Pouco ou nada.

O que importa agora é que finalmente surgiu a candidatura de Seara. A apresentação, que correu num clima de "boa onda", boa disposição, quase parecia traduzir um otimismo razoável. E as declarações produzidas na ocasião quase parecem também dar por adquirida uma decisão final favorável do Tribunal Constitucional. Em minha opinião, isso é precipitado e aconselha-se prudência. Como tenho dito, há muito para falar sobre Lisboa e espero que a presente candidatura resista às armadilhas que os seus principais adversários ou as candidaturas acólitas tentarão construir, ao debater, mais uma vez, não a gestão de António Costa, mas a minha ou aquela que me sucedeu.

António Costa tem seis anos de gestão de Lisboa, o dobro do tempo em que eu estive à frente da Câmara. É comparar o Túnel do Marquês com as mexidas na rotunda do Marquês, na Avenida da Liberdade; é comparar o Parque Mayer que podia ter sido feito com o que ainda não se fez; é comparar Monsanto, a Quinta das Conchas, o Arco do Cego sabe-se lá com o quê; é comparar o que está a ser feito no Terreiro do Paço e no Cais das Colunas com o que foi feito no Chiado, na Rua Garrett e na Reabilitação Urbana e ainda no trânsito do Bairro Alto, de Alfama e da Bica. É comparar, principalmente, projetos para o futuro.

FALTA DE LIMPEZA NO BAIRRO ALTO É INACREDITÁVEL

Tema absolutamente imperdível na campanha em Lisboa é o da limpeza da cidade. Por falar em Bairro Alto, é inacreditável a falta de limpeza que lá existe todos os dias. Mas, infelizmente, não é só lá.

Chegou a um ponto tal que o próprio Vereador do pelouro reconheceu que a cidade está limpa nuns sítios, suja noutros. É mais ou menos como alguém dizer que toma banho dia sim, dia não. Em matéria de limpeza, qualquer terra tem de estar irrepreensível e, como é óbvio, por natureza, também a capital de um País.

Outro tema fundamental é o das acessibilidades para cidadãos com limitações físicas ou mobilidade reduzida. Essa matéria deve ser assumida como um desígnio coletivo por todas as candidaturas.

MEMÓRIA MUITO PARA ALÉM  DO DESPORTO

Este é um espaço mais dedicado ao desporto, mas Fernando Martins merece que se sublinhe que a sua memória está muito para além do desporto. Foi um grande empresário, construiu um grupo empresarial prestigiado e deixou obra. Foi um exemplo vivo de que uma paixão clubística deve ser sempre compatível com valores superiores, como são os da educação, do cavalheirismo, da amizade. Foi muito bonito Pinto da Costa e Antero Henrique terem estado nas cerimónias fúnebres de Fernando Martins e terem sido recebidos com todo o respeito. Foi isso mesmo que Fernando Martins sempre ensinou e praticou.

arranque boa onda autárquicas fernando seara lisboa
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)