Até parecia bruxo e não era da Guiné

António Magalhães

Até parecia bruxo e não era da Guiné

Um exemplo de que há métodos mais eficazes para superar desafios.
  • 0
  • 45
Por António Magalhães|01.07.17
  • partilhe
  • 45
  • 0
O ‘Emailgate’ atirou agora para a praça pública um bruxo da Guiné com ligações a um coronel daquele país e deste ao Benfica. Há muito tempo que o futebol português tem associados bruxos e outros macumbeiros capazes de convencer os mais crédulos dos seus ‘milagres’.

Felizmente, o futebol evoluiu e outros métodos passaram a ter mais peso nas convicções dos homens da bola.  O tratamento de dados passou a ser uma das preocupações dos departamentos técnicos e hoje qualquer treinador que se preze não abdica de informação rigorosa do ponto de vista estatístico para tomar opções e construir estratégias.

São elementos de preciosa utilidade que contribuem para decisões assentes não apenas nesses dados mas sim num leque de informação multidisciplinar.

Há dias, o ‘Record’ publicou um trabalho muito interessante sobre um denominado projeto de inteligência competitiva que se dedica à análise da marcação de penáltis.

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!

Subscrever newsletter

newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)