Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
1
23 de Outubro de 2004 às 00:00
O Parlamento Europeu poderá até recusá-la, em boa parte porque Rocco Buttiglione, o (ainda) candidato a comissário da Justiça, disse que a homossexualidade é um pecado e que as mães solteiras não podem educar bem os seus filhos.
Barroso não é responsável pela escolha de Buttiglione – são os países que indicam os nomes – mas tem responsabilidade na pasta que escolheu para este católico próximo do Papa Wojtyla e antigo professor de filosofia.
Mas aqui jogam outros factores: ser italiano (ou seja, berlusconiano, o que é mal visto no PE); os deputados europeus quererem demonstrar uma força que não costumam ter e, até, pouca solidariedade nacional – as declarações de António Vitorino, a dizer que realmente deu boa opinião de Buttiglione a Barroso, mas foi antes das declarações polémicas que aquele fez. Como se Vitorino não soubesse o que pensava o ministro italiano das Políticas Europeias, que era o que Buttiglione era.
No meio disto, Barroso recuou sem jeito – dividir o pelouro de Buttiglione, uma carta deste a pedir desculpas. Os principais líderes europeus vão salvar Barroso, mas o começo podia ser mais auspicioso.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)