Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
4
25 de Agosto de 2006 às 00:00
SIM
A gestão hospitalar não se muda por simples decreto. É necessário que se criem condições objectivas para que os responsáveis possam definir metas e implementar procedimentos para as atingir. O Estado não pode, a meio do ano, cortar orçamentos, restringir tratamentos e fechar unidades clínicas, esperando que os gestores hospitalares alcancem os resultados propostos inicialmente.
Miguel Alexandre Ganhão, Editor de Economia
NÃO
A autonomia dos hospitais-empresa levou, “em meia-dúzia de casos” (palavras do ministro), a que os respectivos gestores se tivessem tomado por patrões de um qualquer empreendimento com fins lucrativos. Com invejáveis ‘fringe benefits’ (vulgo alcavalas), incluindo carros topo de gama. No estado actual das contas da Saúde, cabe a quem representa o público controlar os gastos com rigor.
João Ferreira, Editor de Sociedade
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)