Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
7
22 de Setembro de 2003 às 00:00
SIM
A Brisa, como prestadora de um serviço, deve oferecer condições de segurança a quem paga (e bem) a utilização das auto-estradas. É um facto a impossibilidade de evitar situações extremas como a ocorrida na A3. Já não é tão pacífica a questão da capacidade de resposta ao acto irreflectido e, aí, a concessionária tem de actuar de forma eficaz com meios que permitam, no imediato, a redução do fluxo rodoviário e, em seguida, o alerta a quem circula.
Paulo Fonte, Editor de Portugal
NÃO
Não é possível controlar um acto irreflectido e irresponsável. Mesmo que fossem instaladas câmaras de vídeo que cobrissem os mais de mil quilómetros de auto-estrada concessionados à Brisa, é impossível evitar que um condutor inverta a marcha ou entre em sentido contrário e, de imediato, alertar os outros. Não se trata de um problema de sinalização ou má conservação do piso. Trata-se de uma loucura e a Brisa não se pode responsabilizar por um louco.
Paulo João Santos, Editor de Sociedade
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)