Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
1
31 de Agosto de 2006 às 00:00
Resolve-se com civismo. E esse, em Portugal, já só é possível com penas pesadas, amplamente divulgadas, para dar o exemplo e acabar de vez com o sentimento de impunidade que é comum a condutores, peões e entidades competentes.
Ontem, o CM noticiava três atropelamentos, dois em passadeiras, dois fatais.
Ontem também, em Braga, um outro peão foi colhido por desrespeitar os sinais. Haverá culpados? E se os há, que penas lhes são aplicadas? Quantos condutores já foram realmente presos por terem atingido velocidades e níveis de alcoolemia com valores de crime?
Nada disso se sabe. O que se vai conhecendo são perdões de juízes a amigos bem colocados. Excepções para políticos que percorrerem o País a 200 km/h.
Chaços que passam nas inspecções, por incompetência ou qualquer coisa mais.
Radares e testes de alcoolemia que afinal não são fiáveis. Sinalizações que, tal como os anúncios, só alguns percebem, quando existem.
É urgente acabar com tanta impunidade. É preciso tratar como criminosos muitos condutores e punir quem permite que continuem a sentar-se ao volante.
Ou as mortes na estrada continuarão a aumentar à velocidade a que eles conduzem.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)