Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Carlos Anjos

Criminosos da crise

Um homem, de cara descoberta, assaltou uma estação de serviço, apontou uma arma à empregada e exigiu-lhe o dinheiro da caixa. Esta tentou demovê-lo, dizendo-lhe que, caso fosse apanhado pela Polícia, seria preso e daria cabo da sua vida.

Carlos Anjos 23 de Setembro de 2011 às 01:00

De cabeça perdida, sem se importar com o facto de poder ser facilmente reconhecido, inclusive pelas câmaras de vigilância, o ladrão afirmou "que tinha de fazer aquilo porque precisava de dinheiro para pôr comida em casa". Levou cerca de 500€. É o desespero total.

Este homem faz parte de uma nova classe social: ‘Os Criminosos da Crise’. Nada desculpa o crime. Ninguém deve resolver os seus problemas criando novos problemas e novas vítimas, muitas delas também já fragilizadas. O crime não pode nem deve ser usado como desculpa. Mas o desespero de não ter comida para dar aos filhos, leva ao pior. Os tempos que estamos a viver são propícios a criar essa nova categoria social, e que infelizmente vai aumentar. São eles os Criminosos do Desespero ou da Crise. Pessoas que em circunstâncias normais jamais cometeriam tais actos.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)